Austrália, Nova Zelândia ou Irlanda? Saiba por que você deve estudar nesses países

6 minutos para ler
Powered by Rock Convert

Você quer ser fluente em inglês e ter a experiência de trabalhar fora do país? Há opções de intercâmbio para estudar na Austrália, Nova Zelândia e Irlanda e conhecer desde animais exóticos a cidades multiculturais, passando por esportes radicais e os famosos pubs.

Se você quer embarcar nessa jornada para impulsionar sua carreira, mas ainda não sabe para onde ir, este guia vai ajudá-lo com dicas e informações sobre os tipos de visto necessários em cada um desses países.

Por que estudar na Austrália?

1. Alto nível da educação

O principal motivo para estudar na Austrália é o fato de o país ter um dos melhores sistemas de educação do mundo, o que vai ser um diferencial no seu currículo e no seu nível de inglês. Atualmente, a nação registra oito universidades entre as 100 melhores do mundo e, para os estudantes, uma opção é tentar bolsas de estudo parciais que algumas das universidades australianas oferecem..

Outra possibilidade é procurar ajuda especializada na hora de escolher o seu destino. As agências de intercâmbio, por exemplo, costumam ter parcerias com instituições educacionais que oferecem cursos de idioma, profissionalizantes e universitários (graduação, pós-graduação e mestrado). Assim, você pode encontrar valores mais em conta.

2. Facilidade para trabalhar

Se você está preocupado em como se manter no exterior, esse motivo pode colocar a Austrália no seu mapa. Ao conseguir um emprego, o intercambista tem a possibilidade de lidar com situações reais, nas quais pode avançar o nível de inglês, além de juntar uma grana a fim de conhecer os pontos turísticos do lugar.

Cada país tem uma regulação para o trabalho de estrangeiros e não seria diferente na terra dos cangurus. No entanto, a Austrália permite que os visitantes trabalhem legalmente com o visto de estudante por até 40 horas em 15 dias. E caso você queira aumentar a sua estadia fora do Brasil, é possível estender o tempo dele ou até mesmo conseguir um visto de trabalho.

Para isso, o programa de imigração para trabalhadores, o Skilled Migration Program, passou a ser mais rigoroso em 2012 e requer que o candidato, que necessariamente deve ter fluência em inglês, seja classificado dentro de uma lista de profissões e cumprir com alguns outros requisitos.

3. Cidades multiculturais e clima tropical

Além disso, você pode contar com o clima tropical (principalmente ao norte) que as cidades australianas têm a oferecer. Em comparação com o Brasil, fala-se também que os australianos são hospitaleiros, especialmente nas multiculturais Sydney e Melbourne. Por fim, outra qualidade são as praias (são mais de 10 mil) e os animais (a exemplo do vombate ou wombat, já ouviu falar desses marsupiais?) que você pode conhecer!

Que tal ir estudar na Nova Zelândia?

1. Qualidade de vida

Na escolha do melhor intercâmbio, uma das vantagens em optar por estudar na Nova Zelândia são os altos indicadores de qualidade de vida. A começar pela educação, área na qual o país se destaca, pois o estudante que escolhe essa nação como seu destino de intercâmbio tem a seu favor um dos cinco melhores países para se praticar idiomas e produzir ciência.

O lugar tem sete das oito universidades nacionais entre as 500 melhores do mundo no QS World University Ranking. Uma particularidade ao entrar em uma escola de inglês da Nova Zelândia é que o intercambista precisa seguir o Code of Practice for Pastoral Care, um guia de conduta ética.

Além disso, a maior cidade, Auckland, é conhecida, desde 2008, como a terceira do mundo em maior qualidade de vida. Atualmente, cerca de 3 mil estudantes brasileiros estão no país fazendo cursos de idioma, ensino médio ou ensino superior.

Contato Agências Intercâmbio WEST 1Powered by Rock Convert

2. Facilidade para conseguir visto

Outra qualidade é que os brasileiros não precisam solicitar visto para se matricular em cursos com duração de até 90 dias. Porém, se você vai permanecer mais de três meses na Nova Zelândia, é preciso pedir junto ao setor de imigração um visto de estudante.

Agora, se está nos seus planos ficar por mais de 14 semanas no país, o ideal é requerer um visto para trabalhar legalmente. Estudantes matriculados em cursos podem trabalhar até 20 horas por semana, ao longo do calendário letivo, e 40 horas nas férias.

3. Pessoas e lugares amigáveis

Assim como na vizinha Austrália, a Nova Zelândia pode ser muito amigável aos brasileiros, tanto pelo clima de algumas regiões do país, bastante confortável para o estudante do Brasil, quanto pelas pessoas, conhecidas como kiwis, por causa do carisma.

No entanto, se você procura cidades com um ritmo muito acelerado, pode não encontrar essa característica nesse país. Mas isso não vai impedir você de viver grandes aventuras, já que o local é um verdadeiro sonho para quem gosta de esportes radicais. Há parques na capital e no interior em que é possível praticar desde uma simples caminhada até grandes escaladas.

Já considerou estudar na Irlanda?

1. Ótimas instituições de ensino

Não é de hoje que a Irlanda se destaca na educação e recebe estrangeiros em suas instituições de ensino médio e superior. A possibilidade de se qualificar profissionalmente faz com que milhares de estudantes (25 mil, anualmente) escolham estudar no país. Instituições como Dublin City University, o Dublin Institute of Technology, a University of Limerick e o Cork Institute of Technology podem ser o ideal para o que você procura.

2. Possibilidades de trabalho

Para conseguir estudar ou trabalhar na Irlanda, é preciso ter um visto liberado pela imigração. Durante esse processo, é necessário ter documentação (como comprovante de acomodação fixa no país e de renda) e disponibilidade para marcar uma entrevista.

Há quatro opções de visto:

  1. estudante (Stamp 0), para pessoas sem vínculo empregatício no país;
  2. trabalho (Stamp 1), que vai requerer do brasileiro uma proposta de trabalho na Irlanda;
  3. estágio (Stamp 1A), para estágios de até 40 horas semanais;
  4. estudo e trabalho (Stamp 2), que permite ao estudante matriculado em algum curso irlandês trabalhar por até 20 horas no período de aulas. Essa é a opção mais adequada aos intercambistas, geralmente.

3. Qualidade de vida

Além da educação espetacular, a Irlanda oferece aos estudantes brasileiros paisagens deslumbrantes, uma cultura diversificada e um povo carismático e acolhedor. E não pense que a única opção para morar lá se resume a Dublin. Procure também por cidades como Cork, Limerick e Galway.

O intercambista pode se preparar, ainda, para lidar com muitos jovens, já que metade da população tem menos de 30 anos. Por fim, os baixos índices de criminalidade contribuem para a ótima qualidade de vida que o país europeu tem a oferecer.

Gostou das dicas para estudar na Austrália, Nova Zelândia e Irlanda? Quer receber mais conteúdos sobre intercâmbio? Assine a nossa newsletter!

Receba dicas exclusivas para planejar o seu intercâmbio!

Você também pode gostar

Deixe um comentário