10 coisas que você deve saber para trabalhar na Irlanda

trabalhar na irlanda
12 minutos para ler
Tudo o que você precisa saber sobre intercâmbio para IrlandaPowered by Rock Convert

A Irlanda é um dos destinos que têm atraído um grande número de intercambistas nos últimos anos. Localizada na Europa, a famosa ilha esmeralda oferece aos estudantes e trabalhadores diversas vantagens, como segurança, ótimas instituições de ensino, custos atrativos e uma riqueza cultural histórica impressionante.

Tudo isso, com a possibilidade de estudar e trabalhar na Irlanda ao mesmo tempo, aproveitando ainda mais a experiência no país. Morar por lá, como em qualquer outro lugar longe do Brasil, traz uma série de dúvidas, o que é completamente normal.

Conversamos como o nosso especialista WEST 1, Ricardo Barros, da unidade de Dublin, que nos contou todos os benefícios e regras para trabalhar na Irlanda. Dê uma olhada no guia que preparamos e você terá respostas para boa parte das perguntas a respeito do assunto. Encarar essa jornada será bem mais fácil com conhecimento prévio. Boa leitura!

Saiba por que estudar e trabalhar na Irlanda

A Irlanda ganha intercambistas todos os dias por inúmeras razões. Talvez, a principal delas seja a facilidade para imigrantes e viajantes do mundo conseguirem entrar no país. O visto de estudante não é tão burocrático e o governo recebe bem aqueles que querem aprender inglês por lá, não se restringindo aos vizinhos europeus.

A junção de estudos e emprego é outro fator de grande ajuda. Muitos brasileiros conseguem trabalhar com relativa facilidade, principalmente no setor de serviços. Com isso, custeiam parte da estadia sem depender de um fluxo de dinheiro vindo da família, por exemplo.

O ganho semanal e mensal também auxilia nos passeios de fins de semana e na descoberta turística do país. Afinal, ninguém quer morar na Irlanda por meses e só conhecer uma única sala de aula, não é?

Por falar em aula, o ensino de inglês na Irlanda é referência ao redor do mundo, o que torna o destino especialmente atraente para estudantes. Mesmo que você já esteja avançado no idioma, existem módulos específicos para estudar o inglês de acordo com seu nível. O treino de pronúncia e entendimento também é muito importante e, por lá, você vai ouvir inúmeros sotaques e ritmos vindos dos nativos e dos turistas e intercambistas.

Descubra 10 dicas importantes para quem deseja viver entre os irlandeses

Motivação para estudar e trabalhar na Irlanda não faltam. Mas há sempre alguns questionamentos antes de tomarmos uma decisão. Desde a escolha da cidade (Dublin ou Cork, por exemplo) até os detalhes sobre permissões e oportunidades de emprego, há muito o que se pensar e planejar para que tudo aconteça da melhor maneira e garanta sua segurança, aprendizado e imersão.

Agora, conheça as informações essenciais sobre essa experiência e tenha tudo o que precisa saber às mãos para tomar a decisão que pode mudar sua vida!

1. A permissão de trabalho

Assim como em outros países, como a Austrália e a Nova Zelândia, a Irlanda oferece aos estudantes a opção de conciliar os trabalhos com os estudos. Porém, a Ilha Esmeralda tem algumas restrições de carga horária.

Entre os meses de junho e setembro, e dos dias 15 de dezembro a 15 de janeiro, por exemplo, os estudantes podem trabalhar por 40 horas semanais por conta das férias. Durante todo o tempo restante, é permitido trabalhar apenas 20 horas semanais, meio período, para que o curso seja bem aproveitado.

Os estudantes também devem ter o visto Stamp2, que é a classe concedida aos estudantes que pretendem trabalhar e estudar simultaneamente. Para ter acesso a esse tipo de permissão, os intercambistas precisam estar atentos a alguns critérios, como estar matriculado em um curso de uma escola pertencente à lista ILEP, que seja full time (com no mínimo 15h semanais) e que tenha a duração de 25 semanas ou mais.

Cabe ressaltar que o visto Stamp2A não permite qualquer tipo de trabalho durante o período do intercâmbio. É possível para um brasileiro ir até a Irlanda apenas para trabalhar, já que há vistos que dizem respeito a essa situação, mas é um pouco mais complicado.

Nesse caso, você precisaria do Stamp1 ou Stamp1A, que só podem ser conseguidos se você já tiver uma proposta de emprego ou oportunidade de trainee no país. Outras regras que valem ser mencionadas são:

  • o curso deve ter ao menos 25 semanas de duração, tempo de um ano letivo no país;
  • ele deve ocorrer diurnamente, de manhã e/ou de tarde;
  • o trabalho não pode atrapalhar os estudos, já que a ausência da sala de aula pode fazer com que o estudante seja impedido de continuar no país;
  • a presença mínima no curso é de cerca de 85%, portanto, procure apenas empregos que caibam no seu horário.

2. O currículo irlandês

Após o período de assentamento no novo país, o primeiro passo para conseguir um emprego é preparar um currículo. O formato pode variar, mas o mais importante é que ele seja claro e fácil de ler para auxiliar o empregador. Assim como recrutadores em outros países, os irlandeses prezam bastante pela objetividade.

Na hora de elaborar o CV, são imprescindíveis informações como: contato, formação acadêmica/escolar, habilidades ou interesses relevantes e a descrição da sua experiência profissional anterior. Cabe lembrar que trabalhos esporádicos contam como experiência, portanto, se você já conseguiu algum desses durante sua estadia na Irlanda ou, até mesmo, no Brasil, vale citar!

É legal mencionar a categoria do seu visto ao lado da sua nacionalidade. Assim como no Brasil, criar um currículo genérico não pega muito bem. Por isso, faça diversas versões, sendo que cada uma delas está focada para uma vaga específica. Um ótimo site para ajudar na criação do currículo perfeito é o Europass, um serviço que é muito utilizado pelos próprios europeus.

 3. A Cover Letter

A Cover Letter, ou carta de intenção, não é uma exclusividade do mercado irlandês. Muitos países a solicitam aos futuros colaboradores para conhecer melhor a pessoa. O documento é simples e deve conter uma breve apresentação das suas qualificações, experiências profissionais e objetivos.

Todavia, assim como com o currículo, é importante pensar em uma Cover Letter que seja direcionada a uma vaga específica, relacionando as suas experiências de forma que justifiquem o motivo pelo qual você é o candidato perfeito para a vaga. Isso mostra personalização e empenho, além de ajudar o empregador.

Conhecer a empresa e, se possível, a pessoa para a qual você vai direcionar a carta, são diferenciais pertinentes e podem chamar atenção para uma análise mais detalhada do seu currículo. Principalmente ,se você souber mostrar ao empregador como as suas qualificações serão importantes para o desenvolvimento da empresa.

Cartas de referência profissional do empregador atual e de ex-empregadores também são uma boa carta na manga. Vale ressaltar que todas as cartas, documentos e informações do currículo devem estar em inglês.

4. O reconhecimento das qualificações profissionais

Outra forma de impulsionar o valor do seu currículo é reconhecendo a sua experiência do Brasil. O governo Irlandês, por meio do National Qualifications Authority of Ireland (Autoridade Nacional de Qualificações da Irlanda), oferece reconhecimento formal de alguns tipos de qualificação, dependendo da natureza dela ou do país onde foi obtida.

Ela é feita de forma a relacionar as qualificações no exterior com a mais próxima comparável na Irlanda. Esse serviço é gratuito e, para solicitá-lo, o estudante deve entrar em contato nos meios indicados abaixo:

5. De porta em porta

É importante lembrar que, assim como no Brasil, na hora de procurar um emprego, é importante gastar a sola do sapato e ir para rua. Por isso, caminhar pelos arredores da sua escola e do lugar onde você mora é fundamental.

É claro que a internet contém centenas de vagas, mas não perca de vista as oportunidades que podem estar nos negócios locais e pequenos. Para estrangeiros, é bem comum que sejam disponibilizadas vagas em restaurantes, bares e mercados, por exemplo.

Lembre-se de que você poderá contar com ajuda para muitos fatores se estiver viajando a partir de uma agência especializada, mas a procura e o encontro do emprego ideal dependerá só de você mesmo. Com apoio nos estudos e na estadia, essa busca será bem mais fácil, é claro: só não deixe de se esforçar!

6. A boa e velha internet

Por falar na internet, não dá para negar que, diariamente, ela salva a vida de muita gente. Durante o intercâmbio, não é diferente: alguns sites podem ser uma mão na roda na hora de achar uma oportunidade para trabalhar na Irlanda.

Lembrando que você deve seguir as regras de carga horária nos períodos de estudos e de férias, então já aplique esse filtro, sempre que possível, durante as buscas. Para facilitar ainda mais para você, fizemos uma lista com alguns sites que são imprescindíveis ao procurar um emprego na Irlanda:

  • Local Employment Service: www.localemploymentservices.ie;
  • Jobs Club local: www.fas.ie;
  • Employment for People from Immigrant Communities — EPIC (Emprego para pessoas de comunidades de imigrantes): programa desenvolvido para ajudar cidadãos de países pertencentes ou não à União Europeia a encontrar emprego e/ou treinamento e formação na Irlanda (www.bitc.ie);
  • Jobcare: serviço que ajuda pessoas a encontrar emprego, oferecendo treinamento, recursos, experiência e oportunidades de desenvolvimento pessoal (www.jobcare.ie);
  • The Larkin Unemployed Centre: www.larkinctr.com.

Além dos listados acima, vale navegar pelos sites:

7. As oportunidades ideias

Mencionamos que estrangeiros conseguem algumas vagas com mais facilidade que outras. Isso é verdade, principalmente, para intercambistas. Durante a procura, priorize estabelecimentos que ofereçam vagas como bartender, vendedor, garçom, barista ou assistente de cozinha.

O emprego informal também é comum nessas situações, justamente por estar claro desde o início que haverá um prazo para a relação trabalhista. Essa não é uma má ideia, acredite: a média salarial para trabalhadores informais na Irlanda é boa, chegando até a ser maior do que a média europeia.

8. A cultura de trabalho

Mais uma das famas positivas dos irlandeses é o equilíbrio entre vida pessoal e profissional que a maioria das empresas e colaboradores se preocupam em manter. Horário de ir embora significa realmente isso: sair da empresa. É claro que há exceções, mas o limite legal de jornada é de 48 horas semanais, então, disso não passa.

As férias na Irlanda são bem diferentes do que conhecemos no Brasil. Lá, elas podem ser aplicadas a qualquer momento do ano, podendo ser separadas por dias ao longo dos meses — e não é preciso aguardar um ano para ter direito a elas. Mesmo um mês após entrar na empresa, o funcionário já pode solicitar férias.

Tendo isso em mente, não tire conclusões precipitadas assim que conseguir uma oportunidade de trabalhar na Irlanda. Cada empresa tem sua própria cultura e é importante que você esteja disposto a ouvir e aprender para se dar bem no serviço e, quem sabe, até crescer lá dentro.

9. O emprego permanente

Sim, é possível que as coisas deem muito certo e você se pegue pensando em ficar por lá mesmo para construir uma carreira. Há uma alta presença de multinacionais no país e algumas áreas estão em alta, como é o caso de Marketing Digital, Contabilidade, Farmácia e Tecnologia da Informação.

Para conseguir um visto permanente, o Stamp4, você terá que se encaixar naquela regrinha de ser chamado para um emprego (o que pode ser acertado com seus empregadores) ou se tornar cônjuge de uma pessoa irlandesa, caso você já não tenha laços familiares com algum nativo.

10. O Stamp1G

Por fim, não podemos deixar de mencionar um tipo de visto mais recente na Irlanda, o Stamp1G. Com ele, estudantes recém-formados têm a chance de trabalhar por até um ano de forma integral no país, para aprimorar suas habilidades e possibilidades profissionais. Não é renovável, mas pode ser bem interessante para dar aquele pontapé na carreira.

Conseguir trabalhar na Irlanda não é nenhum bicho de sete cabeças, mas será, com certeza, bem complicado se você não tiver apoio durante o intercâmbio e todas as suas particularidades. Por isso, a ajuda de uma agência é tão importante: você consegue investir tempo e energia no que importa.

Nem precisa procurar pela empresa ideal: ela já está bem aqui! Conheça mais sobre a WEST1 e entre em contato para saber tudo sobre o intercâmbio na Irlanda — somos especialistas, então, pode confiar.

    Receba dicas exclusivas para planejar o seu intercâmbio!

    Você também pode gostar

    Deixe um comentário