Tire suas principais dúvidas sobre o currículo internacional
Tire suas principais dúvidas sobre o currículo internacional
Guia de Planejamento IntercâmbioPowered by Rock Convert

Para quem sonha em estudar e/ou trabalhar no exterior, não há barreiras que impeçam a tomada de ações para colocar essa vontade em prática. Na verdade, o que existem são algumas preocupações relacionadas a trâmites e burocracias: uma delas é, sem dúvidas, a construção do currículo internacional.

Se um bom currículo é importante para a conquista de boas vagas aqui no Brasil, entenda que o mesmo critério se aplica a outros mercados no exterior.

É importante lembrar também que o modelo de currículo utilizado internacionalmente é diferente do brasileiro. Não basta somente traduzir as informações para o idioma oficial do país: é necessário adequar-se aos modelos exigidos. Um currículo com conteúdo atraente e configurado de forma correta, de acordo com o exigido para o mercado em questão, tem tudo para render uma excelente e promissora vaga.

Se você deseja elaborar um bom currículo internacional, mas ainda não sabe por onde começar, continue lendo. Preparamos abaixo um especial com as principais informações e dicas sobre o assunto.

Quais são os padrões usados no exterior?

O modelo escolhido para seu currículo deve relacionar-se diretamente ao mercado no qual você deseja atuar. Isso porque existem diferentes padrões entre Europa e Austrália, por exemplo. O padrão europeu normalmente pede a anexação de uma foto do candidato. Esta, por sua vez, deve ser bem escolhida, estar com iluminação e fundo harmoniosos. Existe, inclusive, uma versão padrão adotada por estudantes do mundo todo, chamada Europass.

Trata-se de uma plataforma onde as informações são inseridas e organizadas automaticamente. Entretanto, é importante lembrar que não há vazão nenhuma à criatividade ou informações extra, o que pode significar que o seu currículo será igual a tantos outros. Se o que você deseja é destacar-se, é recomendável manter também uma versão tradicional, na qual você disponibilizará seus dados pessoais, contatos bem como o percurso acadêmico e profissional.

Além disso, lembre-se de que o seu currículo se torna mais atraente quando é personalizado em relação à vaga pretendida. Além disso, por mais que você tenha gostado do currículo que elaborou para buscar uma vaga na Europa, não será possível utilizá-lo para tentar algo na Austrália, por exemplo. O modelo australiano demanda a atenção, inclusive, à grafia de alguns termos: O “specialized” americano, por exemplo, vira “specialised”.

A questão cultural também é diferente na Austrália, e o documento deve ser mais focado nas realizações gerais do candidato e nas formas pelas quais ele pode agregar valor à empresa do que em sua trajetória profissional em si (não que essa última não seja importante).

Para contato, você pode se ater a nome, endereço, telefone e e-mail, não sendo costume incluir idade ou data de nascimento. Quanto ao e-mail, uma dica que vale para qualquer destino, é utilizar um endereço que transmita uma imagem profissional, e não aquele dos seus tempos de roqueiro na adolescência.

Existe diferença entre os currículos destinados a cada modelo de vaga?

Antes de começar a elaborar seu currículo, é importante ter em mente que tipo de vaga você deseja buscar. Alguns pensam em trabalho voluntário. Outros, em estagiar durante o período de estudos; outros desejam, ainda, uma vaga efetiva de trabalho. Para cada um desses nichos, existem dicas específicas que podem tornar seu currículo mais atraente.

Currículo para emprego

Nesse caso, especialmente se a intenção é estudar na Europa, foque em sua formação acadêmica e experiência profissional. Você pode pesquisar em redes sociais voltadas ao profissional, como o LinkedIn, quais as informações disponibilizadas pelas pessoas que atuam em vagas similares à que você busca e o perfil desses profissionais.

É claro que a sinceridade deve prevalecer na hora de elaborar seu currículo: informações inventadas, nem pensar! Para complementar, você pode citar também outras habilidades que possui e que acredita serem condizentes com o necessário para a vaga pretendida.

Currículo para estágio

É muito comum que pessoas que partem para um intercâmbio queiram trabalhar durante o período de estudos. Quando falamos em curso universitário, a necessidade de conquistar um lugar no mercado de trabalho para manter-se no país se torna ainda mais evidente. Para essas pessoas, existe uma outra possibilidade, além das vagas de emprego convencionais: os estágios.

Nesse caso, é importante buscar vagas que sejam condizentes com o curso que está fazendo e incluir no currículo o seu tipo de visto e nível no idioma. A instituição de ensino e uma breve explanação do porquê você acredita ser o candidato mais qualificado para preencher a vaga também são indispensáveis.

Currículo para voluntariado

Existem pessoas que são simplesmente apaixonadas pelo trabalho voluntário. Elas o realizam no Brasil e ainda procuram manter-se em contato com ele quando viajam ao exterior. Existe até um termo americano utilizado para descrever quando alguém viaja e participa de algum voluntariado durante a estadia: voluntourism.

Para se candidatar a uma vaga de trabalho voluntário, também é necessário elaborar um currículo internacional. Nele, você pode descrever suas habilidades, seu histórico com o voluntariado e por que você desejaria realizar tal função no país pretendido.

Carta de recomendação

Sabe aquela grande empresa na qual você trabalhou aqui no Brasil? Aquele curso realizado em uma instituição de renome? Pois bem: pode ser que a instituição em questão não seja assim tão famosa no exterior. Por isso, independentemente da vaga buscada, você pode solicitar cartas de recomendação desses locais.

É importante buscar pessoas que possam ser suas referências, em âmbito acadêmico e profissional. Professores e chefes antigos se tornam uma importante ferramenta de networking quando o assunto é buscar uma vaga de trabalho no exterior.

Como montar um currículo internacional?

Elaborar um currículo para trabalhar no exterior requer alguns cuidados: um deles diz respeito ao idioma. Evite usar ferramentas como Google Tradutor, que podem fazer com que o documento saia com graves erros gramaticais. Além disso, seja breve: documentos longos demais podem causar desinteresse em quem os lê.

Uma dica valiosa, entretanto, é conversar com quem entende do assunto. Você pode recorrer a uma agência especializada em intercâmbios para auxiliá-lo na elaboração do documento. Essas empresas contam com consultores especializados, que fornecerão toda a informação e suporte necessários para que o seu currículo seja um sucesso no exterior.

Como se pode ver, elaborar um currículo internacional demanda dedicar seu tempo e capacidade, além de buscar apoio nas pessoas certas.

Se este post foi útil para você, assine a nossa newsletter e tenha acesso a outros conteúdos similares!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This